18 de nov de 2009

.
.
.
.

Jornal "Todo dia" de Americana


01/11/2009

http://portal.tododia.uol.com.br/?TodoDia=todagente&Materia=340475&dia=01&mes=11&ano=2009

http://www.ejornais.com.br/jornal_todo_dia.html


Caderno Toda Gente


Fotografando com a alma



Apaixonado pela vida. É essa a primeira impressão que se tem ao conversar com o jornalista e fotógrafo Antonio Walter Barbero, 28, sobre carreira, família - ele é o caçula de três irmãos (são duas meninas e ele) e amigos. Teco - o apelido ele carrega desde a infância - está longe de ser uma pessoa dependente. Deficiente visual desde o nascimento, ele nunca deixou que a pouca visão, com apenas 5% da capacidade total, lhe causasse transtornos.
E é ele quem assina a nova campanha da Agência age. para a ADD (Associação Desportiva para Deficientes). O anúncio impresso, um filme de 30 segundos e o making of podem ser conferidos no site da associação, o www.add.org.br/novaCampanhaAdd/.


Bem-humorado, super simpático e rápido nas palavras, Teco contou um pouquinho de sua história ao TodaGente, em um bate papo descontraído e muito gostoso. Quando pensa em uma palavra para definir sua vida, sem pestanejar, escolhe “desafio”. “Estou em um momento não contente com a vida. Digo não contente porque eu quero mais, muito mais”, diz ele, aos risos.


TodaGente - Você cursou jornalismo. Por que escolheu esta profissão?
.
Antonio Walter Barbero - Escolhi porque estava sem saber o que fazer. Queria ser tradutor e intérprete, mas não teria muito campo para usar os idiomas. Escolhi ser jornalista porque poderia usar meu conhecimento em idiomas na profissão. Formei-me em 2004 na Uniso (Universidade de Sorocaba).
.
Quais idiomas você fala?
.
Além do português, falo italiano desde pequeno, pois minha família é italiana e na minha casa sempre foi assim. Também falo espanhol, inglês e francês. Não gostava de inglês, mas vi que tinha importância. Foi um pouco difícil, porque meu aprendizado tem de ser diferente.
.
E quando tirou sua primeira foto?
.
Em 1997, em uma viagem à Suíça. Meu pai me posicionou certinho para que eu pudesse fazer a foto. Ele dizia que não ia sair em nenhuma foto, então tirei uma dele. Depois, só fui ter contato com a fotografia de novo no segundo semestre da faculdade, quando tive aula de fotografia.
.
Como foi?
.
Naquela época, o Werinton (Kermes Marsal, atual secretário de Cultura de Votorantim) fazia algumas aulas comigo. Ele teve a ideia de montar um curso para deficientes visuais, e eu participei. O curso me fez ver que o que faço. Sou eu que vejo, eu que passo a imagem. Deu uma visão completamente diferente da que eu tinha do que é imagem para quem não enxerga nada, do que é imagem para quem enxerga pouco, como eu, e do que é imagem para quem enxerga tudo.
.
O que você gosta de fotografar?
.
Pessoas. Tanto fotos posadas como instantâneas, gosto de fotografar pessoas. Ia montar um livro com uns amigos. Cada um escolhia um tema, e o tema que eu tinha escolhido era este.
.
Quais são seus próximos projetos?
.
Tem várias coisas para fazer. Quero montar uma revista falada, fazer mais propagandas, coisas que envolvam imagem... Também quero passar um tempo na Europa. Sou louco pela Itália. Se pudesse, correria o mundo.
.
Tem apoio de sua família?
.
Minha família sempre esteve do meu lado. Eles já fizeram muito por mim, são meu orgulho. Se fosse falar deles, daria outra matéria.
.

.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário