19 de ago de 2017

Teco Barbero revela mistérios da fotografia cega

Por G1 SE
TV Globo Sergipe
por Renato D'avila

O Dia Mundial da Fotografia – 19 de agosto - é motivo para gente conhecer o trabalho de Antônio Walter Barbero, também conhecido como ‘Teco Barbero’. Natural de Sorocaba, interior paulista, ele é o primeiro deficiente visual fotógrafo (tem 5% da visão), jornalista participa de coberturas de eventos, ministra palestras, cursos da fotografia e ainda trabalha na Faculdade de Engenharia de Sorocaba (SP), além de ser dono de uma impressão do mundo.

Mesmo com baixa visão, os aplicativos de voz não são recursos que Teco Barbero utiliza no dia-a-dia. “Retrato minhas impressões para seguir na vida através de meu olhar”, conta. Assim ele ganhou espaço em páginas na internet.

Encostando um tablet próximo aos olhos, ele acessa sites, edita fotografias e domina os aplicativos da tecnologia. Entre os trabalhos já foi convidado para ser fotógrafo em cobertura da revista "Isto é", em que acompanhou desportistas paralímpicos no início do circuito para a Rio 2016.

Ele conheceu a fotografia no ambiente da faculdade, mas foi através de um amigo chamado Kermes que Teco iniciou em cursos de fotografia. “Tocado pelo filme ‘Janela da alma’, um colega da Faculdade, Kermes quis me estimular a fazer imagens”. Graças a Wesley que iniciei um curso de fotografia e lembro que surpreendia meus colegas da faculdade com os resultados daquilo que aprendi no curso com uma câmera comum”.

E depois de seis meses com o colega veterano de faculdade que Teco experimentou técnicas de sensibilização das imagens, passou a demonstrar sua relação com a fotografia, descobriu no tato noções para capturar os objetos a serem fotografados, reconheceu sons usando a audição como recurso para reconhecer locais e situações e  gravuras de seus cliques.

"O curso teve fim justamente quando iniciei na disciplina de fotojornalismo na faculdade, acabou virando pauta para meus registros iniciais. Associei a prática às técnicas da disciplina e foi aí que me despertei na fotografia a maneira de apresentar a sociedade como ‘enxergamos’ o mundo. Faço a união do pouco da minha visão com a máquina que me permite aproximar as imagens. Tudo a minha volta pode ser notícia, do simples por do sol ao buraco na rua", explicou Teco Barbero.

Em 2011 os desafios de cobrir a visita do governador do Mato Grosso do Sul (MT) em uma feira, colocou Teco ao lado de colegas sem deficiência. Na ocasião, demonstrou determinação para driblar os desafios, administrar o espaço dos colegas e com sua câmera seguir a personalidade do evento. O convite de ensaio fotográfico com paratletas na "Isto é"  também foi no mesmo ano, em suas imagens apresentou os diferentes anglos em seus cliques.

"Outro desafio foi o ensaio dos paratletas, pois a máquina era do estúdio e tive que idealizar as poses, ficou tudo a meu critério,foi fantástico e fizemos fotos com os atletas em movimento, inclusive o nadador Daniel Dias era um dos cinco fotografados. Recentemente trabalhei  no Circuito Nacional de Atletismo, em duas feiras e fiz também o registro de uma ave artificial trazida da Alemanha, por pesquisadores na faculdade que trabalho. Consegui registrar a ave por conta do som das asas que pareciam de uma ave real", detalhou Teco Barbero.

http://g1.globo.com/se/sergipe/blog/novo-olhar/post/teco-barbero-revela-misterios-da-fotografia-cega.html

5 de ago de 2017

Teco Barbero fotografa evento na PBF

Teco cobriu o evento de formatura de alunos da escola de idiomas PBF de Sorocaba SP. Os estudantes adolescentes receberam o diploma das mãos das proprietárias Maria Julia e Ana César e de seus professores.

A proprietária Maria Julia faz a abertura do evento.

As sócias proprietárias Ana César e Maria Julia

Ana César entrega diploma  para aluna


A professora Silva entrega o diploma para o próprio filho Otávio com muita emoção.
Professores da escola na formatura

Os pais também estiveram presentes para prestigiar o progresso dos filhos

A turma toda reunida na foto oficial dos formandos, Professores e as diretoras

2 de jul de 2017

Teco Barbero cobre evento na Facens

O evento promove a tecnologia Bionic, que trouxe os robôs da Alemanha em formato de animais como Água Viva, Golfinho e Gaivota.
Os animais marinhos são feitos de um tipo de plástico que lembra uma bexiga, dentro têm os pequenos motores que movem as nadadeiras e as asas da Gaivota que é feita de um composto de vários materiais que lembra um isopor. O gás hélio dentro dos animais marinhos ajuda a mantê-lo no ar.

Para fotografar a Gaivota, Teco usa o som do movimento das asas.
















 Água Viva voando, os movimentos dos tentáculos o fazem se movimentar no ar





Golfinho voando, os movimentos das nadadeiras o fazem se movimentar no ar dentro do ginásio

7 de jun de 2017

Teco Barbero ministra palestra em Sorocaba

O jornalista e fotógrafo ministrou a palestra motivacional 'A força da Superação' para o grupo de empresários Master Business.
O evento contou com a participação de cerca de 30 empresários de vários ramos de negócios que se inspiraram com a história de vida de Teco.











6 de jun de 2017

Reatech: FEIRA INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA EM REABILITAÇÃO, ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO

Teco Barbero na Reatech 

Pela segunda vez consecutiva o jornalista e fotógrafo cobriu esse evento. Foram vários estandes visitados e muitos produtos de tecnologia asistiva fotografados entre eles estão a Lisa o cão guia robô, lupas com câmeras, mão mecânica entre outros. 
A feira estava com ótima presença de público a maior parte de pessoas com deficiência física e auditiva, mas os deficientes visuais não ficaram de fora e as pessoas sem deficiência também estiveram lá. 
E por falar em nós, deficientes visuais, o produto mais visitado foi o cão guia robô aparelho que tem a proposta de guiar nos fora dos obstáculos no solo e sérios até pouco mais de 2m de altura. 
Para os amputados o destaque fica com os membros do corpo como sãos e pernas mecânicas. E nesse campo Sorocaba é referencia representado pela Confor Pés que levou vários aparelhos e próteses

 A cobertura do evento foi um desafio pois havia muita gente e muitos produtos pra fotografar e era difícil encontrar o angulo certo. A foto mais complicada de fazer foi com o modelo com a prótese nas pernas que o deixaram com mais de 2 metros de altura.

A dificuldade de circulação e os corredores estreitos também aumentaram o desafio e a pouca presença de trabalhadores voluntários para ajudar na locomoção influenciaram no melhor aproveitamento da feira, um deficiente visual sem acompanhante dificilmente aproveitou o evento com total independência. 

SOBRE A FEIRA 

Organizada e promovida pelaCipa Fiera Milano, a Reatech - Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade é considerada a principal feira do setor na América Latina. A cada edição, reúne cerca de 300 expositores dos segmentos de agências de emprego voltadas para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, instituições financeiras, fabricantes de cadeiras de rodas, departamentos de recursos humanos, indústrias farmacêuticas, indústrias dos segmentos de animais treinados, veículos adaptados para deficientes físicos (carros, ônibus, vans), fabricantes de aparelhos auditivos, equipamentos especiais, materiais hospitalares, higiene pessoal, próteses e órteses, terapias alternativas, turismo e lazer, além de diversas lojas e prestadoras de serviços na área da deficiência visual. Em 2017, a feira aconteceu entre os dias 1º e 4 de junho e foi totalmente repaginada. A 15ª edição de Reatech Foi em um dos novos pavilhões do São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, a fim de atender plenamente as necessidades de seus expositores e visitantes. Foram 4 dias de evento recheados de atividades culturais e sociais, como: equoterapia, teste drive de carros adaptados, quadras poliesportivas, seminários, workshops e oficinas com Reabilitação e Inclusão Focado nos ASPECTOS PRÁTICOS DA ACESSIBILIDADE, INOVAÇÃO EM TECNOLOGIA ASSTIVA.







Fotos da mão mecânica um dos produtos que mais chamam a atenção do público. A mão faz os mesmos movimentos que a uma mão mas não transmite a sensibilidade do tato ao usuário. As fotos mostram o usuário apertando a mão de uma pessoa e a outra ele segura uma garrafa de água.



As empresas de viajem de ônibus fretado também estiveram presentes, essa trouxe um ônibus adaptado com rampa e acentos removíveis para a melhor circulação de cadeirantes no veículo.



Bancos também mostram seus itens de acessibilidade para os deficientes visuais e auditivos. As fotos mostram um painel que se comunica através de Libras interagindo com os deficientes auditivos e a outra mostra um porta cartão especial com os dados do cartão de crédito impressos em Braile e letra ampliada





Um equipamento muito diferente despertou a atenção do público com deficiência física um balanço onde o cadeirante entra dentro com a própria cadeira e puxa uma corda dentro da cabine e se balança sozinho.







Os produtos para os deficientes visuais marcaram presença com o Laramara e a Ampla visão a mostra haviam relógios em Braile, máquinas e laptops também em Braile, aparelhos de ampliação com imagem transmitida para uma televisão, teclado para pessoas com baixa visão e até mesmo um cursor para computador para amputados sem os braços onde o usoario clica e movimenta a seta com os pés.

E um teclado comunicador onde uma pessoa grava frases de nescidade básica e o usuario que não pode falar aperta o desenho correspondente e assim se comunica. Exemplo: "estou com fome".















O produto que despertou maior atenção e curiosidade do deficientes visuais cegos e baixa visão foi a Lisa cão guia robô esse aparelho com a ideia de substituir a bengala e o cão guia animal tem vários sensores em cima e nas laterais para detectar os obstáculos tanto no solo quanto numa altura de cerca de 2 metros, tem um cabo retrátil que varia de acordo com a altura da pessoa, porém ele não desse escadas e em terrenos acidentados e com grande fluxo de pessoas é difícil caminhar.
O valor é cerca de 7000 reais, um cão guia animal custa cerca de 30000 reais.
As fotos mostram Lisa por vários ângulos e uma pessoa testando o aparelho.





Os cavalos da ecuoterapia estiveram lá e o público pode experimentar uma volta montado nos animais.


Fotos: Teco Barbero